E-Commerce

Brasil registra mais de 150 mil lojas online abertas em 2020

07
Oct
2021

Mariana Chaves

Produtora e especialista em marketing de conteúdo.

Entre abril e setembro do ano passado, o Brasil registrou mais de 150 mil lojas online durante a pandemia covid-19, e esse número deve continuar a crescer.

Leandro Barcelos, coordenador de Comércio Internacional da BMJ Consultores Associados, divulgou hoje os dados no Fórum Público da Organização Mundial do Comércio (OMC) e moderou o debate. O fórum reúne representantes de organizações não governamentais, academia e governo, e será realizado este ano de forma mista (virtual e presencial).

Segundo Leandro Barcelos (Leandro Barcelos), a pandemia também impulsionou as vendas do comércio digital no Brasil, atuando como alternativa em tempos de isolamento social.

Ele se referiu a dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABCOMM), que mostram que, entre abril e setembro de 2020, mais de 11,5 milhões de pessoas fizeram compras online no país pela primeira vez durante a pandemia.

Com a crescente relevância do tema, o Brasil vem discutindo a regulamentação do comércio digital com parceiros de negócios relevantes. Ele informou que as negociações comerciais concluídas com Chile, Mercosul e União Européia deram passos para viabilizar as vendas de digital no Brasil. Da mesma forma, o país discutiu regras de comércio digital em negociações com Canadá, Coréia do Sul e OMC.

Leandro Barcelos acrescentou que a negociação comercial facilitou o processo de venda na Internet e aumentou a transparência.

Dados 2020/2021 das lojas online no Brasil

Selecionamos alguns dados de lojas online do Brasil em 2020 e 2021, que são um bom exemplo do crescimento desse segmento no país durante a pandemia. Confira à seguir:

Múltiplos canais

Além das compras online, de maneira geral, estudos também apresentam de forma detalhada como essas vendas são realizadas. De acordo com o 42º Webshoppers, os varejistas do mercado responderam por 78% da receita total de e-commerce do Brasil, já que os 30 bilhões de reais nos primeiros seis meses de 2020 vieram de lojas que ingressaram no mercado, um aumento de 56% em relação ao mesmo período em 2019.

A pesquisa também mostrou que os negócios de loja física e loja online operados tanto por lojas físicas quanto por lojas online tiveram um aumento de 61% nas vendas no primeiro semestre deste ano, respondendo por 73,1% do total das vendas. Para vendas online em todo o país, 57 milhões de pedidos para este tipo de operação de loja, um aumento de 54% sobre 2019, e um preço médio unitário de 495 reais, um aumento de 4%.

Para especialistas, os dados mostram que além de múltiplos canais, a empresa também precisa desenvolver uma estratégia de loja única. “Se um consumidor vai a uma loja física, mas não encontra o que precisa, como o vendedor pode incentivá-lo a comprar online? Ou, se você quiser comprar um produto online, mas quiser saber com antecedência, como o varejista pode incentivar isso acontecer? ".

No entanto, não são apenas tijolos, cliques e mercados que estão crescendo. O chamado pure player, modelo de negócio totalmente online, tem crescimento de vendas de 26% e faturamento de 9 bilhões de reais. Dessa forma, foram realizadas 26 milhões de compras, com gasto médio de R $335, aumento de 15% e 9% respectivamente. Já a loja virtual do fabricante, o chamado fabricante.com, embora o número de pedidos tenha aumentado 42% para um total de 6 milhões de reais, caiu 8% para um total de 1,4 bilhão de reais. O valor médio das compras dessa forma também caiu para R$213, uma queda de 35% em relação ao mesmo período de 2019.

Aplicativos de entrega

Outro fator relevante na pesquisa é a participação dos aplicativos de entrega. De acordo com as estatísticas do 42º Webshoppers, 72% dos 2.140 consumidores já ouviram falar dele em um dia. E em 13 de julho deste ano, mais aplicativos de entrega foram iniciados ou estão sendo usados ​​durante o período de quarentena. Os principais motivos de escolha incluem: não ter que sair de casa (77%) e promoção (36%).

Brasil atingiu recorde de pedidos nas lojas online 

Segundo dados da NeoTrust, os brasileiros fizeram 301 milhões de compras online em 2020, um aumento de 68,5% em relação a 2019. Com isso, a receita também aumentou significativamente: a receita gerada foi de R $ 126,3 bilhões, o que representa um aumento de 68,1% em comparação a 2019.

Nordeste foi a região que mais cresceu em 2020

A mesma pesquisa da NeoTrust apontou que o Sudeste ainda é líder em compras online, com o total de pedidos em 2020 respondendo por 64,8% do total de pedidos. No entanto, o Nordeste é a região que mais cresce, respondendo por 14% das vendas anuais, um aumento de 2 pontos percentuais em relação a 2019.

Seguido pelo Sul, que respondeu por 13,6% das compras, Centro-Oeste (5,6%) e Norte (2%).

Valores menores de ticket médio foram os mais buscados pelos brasileiros 

Apesar do aumento nas compras, os produtos com ticket médio mais baixo ainda são os mais procurados pelos brasileiros, respondendo por mais da metade das vendas.

As categorias vencedoras são moda e acessórios (19,9% dos pedidos em 2020), beleza, fragrância e saúde (14,4%) e entretenimento (12,8%).

Idade média dos consumidores foi de 37 anos

Ao observar o perfil dos compradores, percebe-se que as mulheres que mais compram online são responsáveis ​​por 57,3% dos pedidos. Por outro lado, é de 42,7% para os homens.

Dividida por faixa etária, a idade média dos consumidores é de 37 anos. Os principais grupos de consumidores por faixa etária são de 36 a 50 anos, responsáveis ​​por 33,6% do total de pedidos, e de 26 a 35 anos, responsáveis ​​por 33,2%.

O caso extremo está na última posição: brasileiros menores de 25 anos representaram 18,9% dos pedidos, enquanto pessoas maiores de 51 anos representaram 14,3% do total.

Lojas online possuem mais de 20,2 milhões de novos consumidores

Uma das estatísticas mais assistidas do e-commerce no Brasil é a entrada de novos consumidores nas compras online.

O comércio eletrônico brasileiro conseguiu agregar 20,2 milhões de novos consumidores em 2020. O varejo digital concentrou 42,9 milhões de consumidores independentes, um aumento de 36,7% em relação a 2019.

A frequência de compras também aumentou, de 6 pedidos por consumidor para 7 pedidos. O custo médio anual foi de R $ 2.618, um aumento de 23,4% em relação ao ano anterior.

Número de lojas online cresceu 40% em 2020

Para atender a alta demanda dos consumidores, o número de lojas virtuais também está aumentando. Em agosto de 2019, havia 930 mil transações desse tipo e, em agosto de 2020, chegará a 1,3 milhão. Trata-se de um aumento de 40%, o maior aumento desde a pesquisa brasileira de comércio eletrônico realizada pelo PayPal em 2015.

Conclusão

Temos visto o crescimento exponencial das lojas online, e a tendência é que esse mercado cresça ainda mais. Logo menos teremos novas tecnologias para facilitar cada vez mais esse processo, isso porque o mercado digital está em constante evolução.

Para começar, você pode contar com ferramentas de otimização de site para colocar sua loja online nas primeiras páginas dos mecanismos de busca. Não sabe como fazer isso? Entre em contato com a gente que vamos te explicar.

E aí, o que achou dessas informações? Se gostou deste artigo continue nos acompanhando para ter acesso a mais conteúdos como este.


Últimas Postagens WebPeak

Google

Guia SEO: aprenda a encontrar todas as páginas de um site

Google

Como desenvolver uma campanha com resultados no Google Ads

Tutoriais

Tutorial SEO para fazer pesquisa de palavras-chave para o seu site!

E-Commerce

Brasil registra mais de 150 mil lojas online abertas em 2020