Marketing

Mudanças no comportamento do consumidor: o que espera o novo consumidor?

17
Feb
2021

Victoria Ribeiro

Sou uma redatora cabulosa, estou aqui para sabotar seu raciocínio.

O ano de 2020 foi um ano que impactou o comércio digital no Brasil e no mundo. Detalhe, esse impacto não se deu somente pelas reinvenções que o setor teve que fazer, mas também devido ao comportamento dos consumidores. As crises, tanto econômica como pandêmica, transformaram os hábitos de consumo e configuraram um novo cenário para quem vende na internet.

Como o isolamento social influenciou no comportamento do consumidor

Segundo pesquisas e análises, a influência do Google a partir desse período que estamos passando aumentou em 45,8% entre os consumidores. Seguindo a mesma tendência, as redes sociais tornaram-se 24,8% mais influentes, entre elas, o Instagram se destacou como mais influente: 46,4% dos consumidores apontaram que este foi o canal que mais os influenciou na hora de fazer uma compra pela internet.

A nível de curiosidade, a influência do TikTok, que é uma rede social relativamente nova, já chega a 4,44%. Por outro lado, na contramão desses dados, outros fatores que sempre foram importantes para levar um usuário a concluir uma compra, como indicação de amigos e opinião de outras pessoas, caíram 34,6% e 41,8%, respectivamente.

Nem só os canais de influência mudaram, o comportamento do consumidor mudou no próprio ato de comprar. 

Acredita-se que os desafios das crises tenham despertado outro envolvimento com as marcas e suas experiências de compra: o consumidor digital passou a ter como foco de compra, os produtos essenciais e que tenham algum valor agregado.

Experiência do consumidor(e do usuário)

Se tratando das experiências de compra no comércio eletrônico, o tradicional dá lugar ao omnichannel, ou seja: é a era das lojas físicas e digitais caminharem juntas. Por exemplo, a compra feita pela internet e retirada na loja. 

O novo consumidor tem mostrado uma fidelidade com marcas onde já houve experiência de compra, ele se mostra mais cuidadoso. Os únicos setores de consumo que cresceram em intenção de gastos foram alimentos, suprimentos para casa e cuidados pessoais. Entretanto, importante: apenas na pandemia o comércio eletrônico cresceu até 33%.

Qual é o perfil do novo consumidor? 

Com todas essas mudanças, é possível observarmos que alguns setores, há alguns anos, estão avançando a passos largos na internet, por outro lado, outros nem sequer se mostraram minimamente preparados para ela.

O grande ponto é: o novo consumidor já existe, e as falhas de comunicação entre determinadas categorias de consumo e os consumidores, só apontam despreparos e muito trabalho pela frente para alcançar o prejuízo.

No momento, o consumidor está dividido entre, pelo menos, dois grupos: aqueles que já tinham grande contato com o comércio digital antes da pandemia e os que não tinham.

Além disso, nessa equação é considerada as diferenças geracionais, que são aspectos essenciais na hora estabelecer uma comunicação eficaz com o novo consumidor. A Geração Z, por exemplo, já nasceu dentro da internet, logo, está muito mais envolvida com o meio, porém, sofre o agravante de ser a mais economicamente impactada pela crise. 

Na prática, o novo consumidor demanda que as empresas estejam mais envolvidas com a marca. 

  • Há uma preferência por negócios que vão transmitir credibilidade e segurança;
  • Confiança em grandes marcas, pouco disposto a busca por informações sobre marcas menores, dessa forma, as empresas devem fazer o máximo possível para transmitir confiança em sua comunicação;
  • O consumo não é feito com frequência, mas quando é feito há mais comprar. Assim, as lojas devem estar em contato com esse consumidor de maior ticket atendendo às suas necessidades;
  • Maior perfil para mudar de preferências, de acordo com a circunstância. Ou seja, as marcas devem estar preparadas para captar feedbacks rapidamente, coletar dados e estar à frente das tendências o quanto antes possível.

Qual é o novo normal para as empresas

Infelizmente, não existe uma fórmula para você enquadrar sua empresa perfeitamente no novo normal, nem como ter 100% de sucesso ao se adaptar aos novos hábitos de compra.

A maior dica que podemos dar: crie uma comunicação efetiva entre seu negócio e os consumidores. O SEO (otimização para sites) pode te ajudar nessa jornada. 

SEO agrega um conjunto de técnicas utilizadas para quem usa buscadores na internet (Google, Bing, por exemplo). Tendo em vista que o Google tem bilhões de buscas realizadas diariamente, empreendedores que não reconhecem a importância em investir na otimização de sites pode estar perdendo tempo e dinheiro. As técnicas de SEO possibilitam que os usuários cheguem até o site almejado de maneira orgânica, ou seja, sem o uso de mídias pagas, ou potencializando-as. Entre as principais técnicas utilizadas estão: criação de conteúdo, Link Building e experiência do usuário.

Especialistas alertam que, apesar de desafiadora, toda crise é também um período de grandes oportunidades. É um bom momento para as empresas mostrarem seu lado humano, livre de oportunismos. A crise sanitária, econômica e social, na qual estamos passando, exige que empresas fiquem de olho no brand e nas métricas. No entanto, aproveitar o poder das plataformas digitais, estar presente nos canais onde os consumidores estão, reavaliar campanhas de marcas e respostas diretas, destacar os benefícios de produtos e ofertas, demonstrar cuidado e empatia, definir uma experiência alternativa ao cliente, entre outras estratégias, são caminhos para superar esta fase. 

A melhor maneira de manter um negócio visível é através dos canais digitais. Na internet, o maior patrimônio que uma empresa possui é o próprio site. Enquanto uma empresa está ativa, o site é o portal do sucesso. É ali que as pessoas irão procurar por alguma solução nos buscadores.  Por mais que as mídias sociais sejam fundamentais para diversos pontos da estratégia do Marketing Digital, afinal, as alternativas estão sempre se atualizando e/ou tendem a serem trocadas de tempos em tempos pelos usuários. Dessa forma, não são patrimônios.

Investir em SEO é investir em algo próprio, é apostar no próprio negócio com confiança e colher os frutos de um trabalho árduo, porém muito valioso. A WebPeak tem tempo e experiência no mercado! Além de unir ferramentas completas para marketing digital em um único lugar, oferece todo suporte necessário aos usuários. Entre em contato conosco


Últimas Postagens WebPeak

SEO

Intenção de busca: entenda a importância deste fator de ranqueamento

SEO

Entenda como aplicar SEO On-Page: otimizar páginas com eficiência

E-Commerce

WebPeak informa: as melhores práticas para e-commerce

SEO

Taxa de rejeição: como medir e ampliar os resultados