NÃO QUERO IR AO EVENTO

Cupom de Desconto VTEX DAY 2019

Utilize o Cupom de 30% Desconto para o VTEX DAY 2019

Cupom de Desconto VTEX DAYCupom de Desconto VTEX DAY

USE O CUPOM: WEBPEAKVTEXDAY

COMPRE COM O CUPOM DE DESCONTO

SEO: quais critérios do Google realmente importam

24/9/2019

SEO: quais critérios do Google realmente importam

São muitos os critérios do Google quando o assunto é ranqueamento. É uma tarefa delicada decidir como os sites estarão posicionados em sua busca. Uma coisa é certa: quanto melhor você conseguir entender esses critérios, mais fácil será encontrar uma boa posição nos resultados orgânicos de busca do mecanismo, afinal,  é baseado neste entendimento que são construídas todas as técnicas de SEO.

Ranqueamento trata-se da posição que um website ocupa na página de resultados da ferramenta de buscas. Há vários fatores que influenciam um site a estar bem ou mal no SERP, sendo eles baseados na relevância do conteúdo, nas palavras-chave contidas e na quantidade de links de qualidade que referenciam aquele material. 

Quando falamos de otimização para buscadores, o comum é ter um determinado tempo para dar resultados. A paciência e o trabalho contínuo são muito importantes para alcançar o desejo de ver os conteúdos aparecerem e subirem no ranking do Google. 

Uma coisa é certa: quando os resultados vêm, eles são poderosos e duradouros.

Entretanto, no mercado atual, velocidade é uma vantagem competitiva. Caso você espere muito tempo para ter retorno com uma estratégia, o concorrente passa à sua frente. Dessa forma, será que tem como indexar e rankear conteúdos mais rápido no Google?

Vamos revelar neste conteúdo algumas estratégias para isso. Quando você inclui novos conteúdos no seu site ou blog, quer que os usuários cheguem até ele o mais rápido possível, não estou errada, certo? 

Então aqui vai um conteúdo completo sobre os critérios do Google que realmente importam para agilizar a indexação e o rankeamento das suas páginas.

Leia também: Qual é o segredo por trás da mídia paga? 

Quais os critérios do Google para rankeamento 

A intenção central do algoritmo do Google é organizar todo o conteúdo da web para torná-lo acessível aos usuários. Para tanto, o buscador desenvolveu um robô capaz de rastrear as páginas da internet, compreender do que elas tratam e ordená-las, de modo que o usuário encontre os melhores resultados para as suas pesquisas.

Ao realizar uma pesquisa por algum termo no Google, você nem imagina todo o processo de busca que está por trás. Isso porque o robô percorre um longo trajeto, embora tudo aconteça em segundos muito rápidos.

Os passos percorridos para Rankear no Google são os seguintes: 

  • Rastreamento (crawling): identificação de URLs novas ou atualizadas para serem indexadas — ocorre a todo momento;
  • Indexação: identificação dos conteúdos das páginas para organizar o índice de URLs do buscador — ocorre a todo momento;
  • Classificação (ranking): ordenação dos conteúdos indexados pelo robô para exibir os resultados de acordo com o termo de busca — ocorre a cada pesquisa do usuário.

Diante do que foi apontado, para que as suas páginas apareçam mais rápido, e lembre-se,  bem posicionadas, nos resultados da busca, você deve facilitar o trabalho do Googlebot. Vamos te mostrar que em cada uma das etapas, existem alguns truques para agilizar esse processo.

SEO: Como fazer para indexar e rankear conteúdos mais rápido

#1 Verificar problemas de rastreamento

Este é o primeiro passo em uma estratégia de SEO. A verificação de possíveis problemas de rastreamento é muito importante quando o assunto é indexação e rankeamento, se as suas páginas não estão passando pela varredura do rastreador, nenhum dos esforços que vamos destacar abaixo terão resultados.

No Google Search Console, na seção Cobertura (na lateral esquerda da tela), você pode conferir se o robô está conseguindo ler o seu site e, caso não esteja, por que isso está acontecendo.

É provável que existam erros de DNS, servidor, robots.txt, 404, entre outros. Em determinados casos, é possível corrigir de modo rápido esses problemas; já em outros, é preciso contar com ajuda especializada.

Não deixe de ler: Googlebot: o robô do Google que você precisa conhecer 

#2 Utilizar a Ferramenta de Inspeção de URL

Ao publicar uma nova página ou fazer atualizações em uma URL, o Google pode levar alguns dias ou até semanas para realizar o rastreamento. O recomendado pelo buscador é

um recurso , que é oferecido pelo próprio Google, que informa o status de indexação de uma URL, ou seja, caso o Google consiga indexar essa página e os possíveis problemas encontrados.

Após inspecionar a página, se você verificar que ela ainda não está indexada, é possível solicitar que o Google rastreie essa URL. Ao clicar em “Solicitar indexação”, o buscador faz uma rápida verificação para testar erros e, caso a página passe, ela irá para a fila de indexação.

Diante disso, a sua página estará entre as prioridades de indexação do Google. Porém, não vamos deixar de ressaltar que isso ainda pode levar até 1 ou 2 semanas para ocorrer. 

É possível acompanhar o andamento da solicitação pelo Google Search Console. Além de saber se existe um limite diário de solicitações de inspeção. Ou seja, priorize as páginas mais importantes, aquelas que você realmente precisa que apareçam nos resultados da busca.

seo: quais criterios do google importam

#3 Enviar sitemaps para o Google

Agora, o Sitemap.xml é o arquivo, ou mapa, voltado especificamente para o robô de busca, escrito seguindo padrões e regras, com códigos específicos para que o buscador encontre mais páginas do site.

O Sitemap.xml é fundamentalmente importante para que o robô de busca entenda melhor a estrutura do site. E obviamente, quanto melhor for a arquitetura, mais organizado será o Sitemap.xml e mais fácil a navegação para que ele encontre todas as páginas e seções do site.

Sitemap.xml X Indexação

A principal função do Sitemap.xml é ajudar na indexação das páginas e categorias de um site. Caso o site possua um grande volume de páginas, categorias, subcategorias, produtos e subprodutos, com certeza o sitemap.xml será um grande facilitador para que o robô de busca encontre cada uma dessas páginas.

Não se esqueça que o Sitemap.xml nunca irá resolver tudo sozinho. Ele sempre deve ser acompanhado de uma boa arquitetura de links internos que faz com que o robô de busca encontre e indexe mais páginas, além, certamente, de acelerar o processo de indexação de novas páginas. 

Uma arquitetura do site bem feita, com links internos para as páginas mais complexas do site, “dispensa” o uso do sitemap.xml na questão “fazer o robô de busca encontrar todas as páginas”. Entretanto, podemos dizer que nenhum site chega a tal perfeição a ponto de excluir a necessidade do uso do sitemap.

Separamos também: Como aparecer no Google: 10 melhores e piores fatores de ranking SEO 

Para enviar um sitemap ao Google, existem três opções:

  • Utilizar a ferramenta de sitemaps do Google Search Console;
  • Especificar o caminho para o sitemap dentro do arquivo robots.txt (por exemplo: http://example.com/sitemap_location.xml);
  • Usar a função “ping” (por exemplo: http://www.google.com/ping?sitemap=<url_completo_do_sitemap>).

#4 Usar o Google API para indexação

Você almeja uma comunicação ainda mais direta com o Google para informar a publicação ou a atualização das suas páginas?

O buscador criou uma API para desenvolvedores (conte com ajuda especializada para isso) que permite uma troca de informações de forma mais rápida.

Com a API Indexing, você pode notificar de forma direta o Google quando páginas forem adicionadas, atualizadas ou removidas. É possível enviar URLs individuais ou fazer solicitações em lote. Dessa forma, o robô vai priorizar o rastreamento dessas páginas.

O Google irá informar, porém, que essa ferramenta ainda está disponível somente para páginas com dados estruturados de vagas de emprego ou transmissões ao vivo. Esse é o tipo de página que demanda um rastreamento imediato para disponibilizarem valor aos usuários.

#5 Criar links internos em páginas importantes

Já explicamos, mas vale relembrar, o Google rastreia os sites da web guiados pela rede de links. A partir dos links que aparecem nas páginas conhecidas, ele chega até as URLs novas e atualizadas. Esta dinâmica ocorre tanto com os links externos quanto internos de um site.

Ao publicar uma nova página dentro da estrutura do seu site, em algum momento o Google irá passar por ela em seus processos de rastreamento. Dessa forma, caso o seu site seja muito grande ou se as suas páginas estiverem isoladas, pode ser que o robô faça uma varredura rápida e não rastreie alguns conteúdos que considere de importância menor.

Isso pode ocorrer só numa próxima varredura. Nesse caso, o rastreamento demora mais.

Uma forma de indexar mais rápido uma nova URL é criar links para ela em páginas importantes do seu site, como a página inicial ou um post central do blog, que o Google vai priorizar o rastreamento.

Ou seja, ao inserir links nessas páginas, aumentam as chances de o robô passar pelas páginas linkadas. Por outro lado, ele identifica de forma mais fácil que há conteúdo fresquinho no site e que provavelmente ele é relevante, já que está citado em uma página importante.

Nossa dica é que para que isso aconteça é sempre bom publicar as atualizações do blog na página inicial. Outra ideia muito bacana é, sempre que publicar uma nova página, encontrar oportunidades de linkagem interna em conteúdos antigos do blog.

#6 Compartilhar os conteúdos nas redes sociais

Pensa com a gente, se uma das formas de mostrar que você tem conteúdo atualizado no site é criar backlinks para ele, é possível fazer isso também ao divulgar a URL nas redes sociais onde seu público-alvo se encontra. 

Desse modo, você começa a gerar tráfego para a página e mostra ao Google que aquele link existe. Entretanto, é preciso esclarecer: os sinais sociais (likes, compartilhamentos, comentários) não se tratam de um dos fatores de rankeamento do Google, e os links das redes sociais são marcados como “nofollow”, isso significa que não são seguidos pelo robô e não influenciam no rankeamento.

O que existe de fato é uma correlação: links que geram um bom tráfego, alcance e engajamento nas redes sociais costumam também ter um bom posicionamento nos resultados da busca.

Dessa forma, quando você compartilha as suas páginas novas ou atualizadas no Facebook, Twitter, LinkedIn, Instagram e Pinterest, aumentam as chances de elas serem conhecidas, acessadas e mencionadas em outros sites. Não se esqueça: você também começa a gerar links externos para essas URLs e pode se interessar por esses outros conteúdos.

Leia mais: Público-alvo: entenda melhor esse conceito e como ele vai te ajudar nos negócios

#7 Otimizar a arquitetura de informação do site

Colocando ainda em questão relação à rede de links, criar uma arquitetura de informação lógica e bem estruturada também ajuda a indexar conteúdos de modo mais rápido.

A arquitetura da informação trata-se da forma como você organiza os conteúdos do site e define as relações entre eles. Ao falar em desenvolvimento de sites, a arquitetura é definida pela criação e hierarquização de seções e a linkagem entre os conteúdos.

Ou seja, quando você tem uma estrutura organizada, em que todas as páginas estão relacionadas entre si (sem URLs “órfãs”), você facilita o trabalho do Google, pois ele sabe quais caminhos devem ser seguidos para encontrar novas páginas e, além disso, consegue rastrear tudo em uma varredura.

Por outro lado, ele também  identifica se você oferece uma boa navegabilidade, que facilita aos usuários encontrarem o que desejam. Nesse sentido, você também ganha pontos para o rankeamento.

#8 Simplificar recursos do site

Se tratando de SEO, simplificar os códigos do seu site auxilia o Google a rastrear e indexar os seus conteúdos mais rápido.

Quando o robô encontra códigos confusos e repletos de caracteres desnecessários, ele pode reduzir o crawl budget do site, ou seja, o tempo que vai disciplinar para rastrear suas páginas.

É entendido que esse site provavelmente não oferece uma boa experiência ao usuário, afinal, os códigos são pesados e tornam o carregamento mais lento. Nesse sentido, ele nem perde tempo com essas páginas.

Um outro lado é que, ao minificar (simplificar) os recursos do site, você retira os caracteres supérfluos e reduz o tamanho dos códigos HTML, CSS e Javascript. Dessa forma, além de melhorar a velocidade de carregamento, o Google rastreia as páginas com mais facilidade, agilidade e frequência.

Para realizar isso, você pode contar com plugins gratuitos para WordPress, como o W3 Total Cache e o Autoptimize.

#9 Produzir conteúdo com frequência

Produzir conteúdo regularmente é uma das principais dicas neste conteúdo, afinal, é ideal para conquistar o engajamento dos usuários. Desse modo, eles sabem que sempre vão encontrar conteúdos novos e atualizados no seu site.

Porém, você sabia que é assim também que o Googlebot pensa?

Caso você publique conteúdos com uma frequência regular, o robô identifica quando precisa realizar as varreduras, sabendo que sempre vai encontrar conteúdo fresquinho nas suas URLs.

Desse modo, é provável que, sempre que você publicar páginas novas, o Google esteja antenado e rastreie logo as suas páginas.

Leia mais: Gestão do Ciclo de Vida do Cliente: 5 fases e dicas práticas

#10 Indicar páginas que o Google não precisa indexar

O Google dedica um tempo representativo no rastreamento e indexação de cada página da internet. O tempo é definido pelo crawl budget, e vai de acordo com a qualidade dos conteúdos e da experiência que o site oferece aos usuários.

Agora pense conosco, caso você tenha várias páginas duplicadas, com redirecionamentos ou com conteúdos irrelevantes, que não geram valor para a experiência do visitante, como fazer? 

Sabemos que nesses casos, o Googlebot vai desperdiçar tempo com essas páginas e deixar de rastrear outras URLs mais importantes para o seu negócio. O ideal perfeito (desculpa a redundância) é evitar que o Google perca tempo no rastreamento de URLs que não são necessárias. Para tanto, você pode usar o código “noindex” nessas páginas. Essa tag é responsável por informar ao Google que ele não precisa indexar determinadas URLs, nem apresentá-las nos resultados da busca.


Agora que você está por dentro de quais são os critérios do Google para rankear, não deixe de escrever nos comentários o que achou deste artigo!

Até a próxima! :) 


Autor

Victoria Ribeiro

Sou uma redatora cabulosa, estou aqui para sabotar seu raciocínio.

Linkedinhttps://www.webpeak.com.br/victoriaribeiro@webpeak.com.br

Últimas Postagens WebPeak

Últimas Noticias WebPeak